noticias gerais

Campanha Julho Amarelo

por Jornalismo SBEM em 12 de julho de 2021


A SBEM está apoiando e participando da Campanha Julho Amarelo, da Sociedade Brasileira de Hepatologia. As hepatites virais são um problema de saúde pública global e o alerta é para a evolução para casos graves.

No vídeo, o Dr. Cesar Boguszewski, presidente da SBEM, alerta a população e faz recomendações sobre exames durante as consultas. “Trabalhando juntos, não vamos deixar ninguém para trás, mudando essa realidade”.

A hepatite C é uma doença silenciosa que atinge cerca de 71 milhões de pessoas no mundo. No Brasil, cerca de 1 a 1,5 milhões de brasileiros desconhecem que são portadores de hepatites virais. A SBEM colabora com a campanha para alertar aos pacientes portadores de diabetes mellitus que eles são os de maior risco para hepatite C e, por isso, devem ser frequentemente monitorados com a dosagem do anti-HVC no sangue.

A SBEM também alerta aos endocrinologistas que é fundamental orientar os seus pacientes quanto a importância da vacinação contra hepatite B.

Problema de Saúde Pública

Um dos compromissos do Brasil com a Organização Mundial da Saúde, até 2030, é que as hepatites virais não sejam mais uma questão de saúde pública. Entre os pontos de compromisso está incluída a detecção de 90% das pessoas infectadas, tratamento de 80% dos casos diagnosticados, redução em 90% o número de novas infecções e da mortalidade atribuída a estas doenças em 65%.

A hepatite C é uma doença silenciosa que atinge cerca de 71 milhões de pessoas no mundo. No Brasil, cerca de 1 a 1,5 milhões de brasileiros são portadores de hepatites virais, desconhecendo a condição.

Apesar de o Brasil ser o segundo país que mais realiza transplante de fígado em escala global – a maioria por cirrose secundária a hepatite C – cerca de 30%-50% das pessoas aguardando a cirurgia ainda morre em fila de espera por um procedimento que sofreu um impacto muito grande com o crescimento da pandemia da COVID-19.

Segundo dados divulgados pela SBH, a partir de dados divulgados pelo Ministério da Saúde, houve uma redução de 40%-50% no número de testes rápidos, distribuídos para as UBS e um decréscimo proporcional no número de pessoas tratadas para a hepatite C de 36.658 indivíduos em 2019 para 19.219 indivíduos em 2020.

A avaliação é que o fato se deu pela sobrecarga dos profissionais de saúde ou seu deslocamento para enfrentamento da COVID-19, com redução no número de pontos de testagem ativos e campanhas de testagens. O cenário é preocupante, podendo se tornar mais uma sequela da pandemia da Covid-19.

Além de sociedades médicas, a campanha conta com o apoio do vencedor do Prêmio Nobel de Medicina de 2020, Dr. Harvey Alter.