#SBEMResponde

#SBEMResponde: Hipertensão

Diariamente a SBEM Nacional recebe diversas mensagens pelos vários canais de comunicação com o público. Foram separadas as principais dúvidas recebidas para que os especialistas possam responder, de forma bem objetiva, a estes questionamentos.

Nesta segunda semana o tema é a hipertensão. A "culpa" é da genética ou resultado de maus hábitos de saúde?

Resposta e explicações - Consultoria do Dr. Madson de Almeida, presidente do Departamento de Adrenal e Hipertensão

A hipertensão arterial (HA) representa o principal fator de risco independente para morte prematura, afetando cerca de 10 a 40% da população mundial.

A HA está associada a um risco aumentado de doenças cardíacas e acidente vascular cerebral.

A HA é uma doença de origem multifatorial, ou seja, contribuem para o seu desenvolvimento tanto fatores genéticos como ambientais (obesidade, hábitos alimentares inadequados, tabagismo e inatividade física).

As formas de HA causadas por um único fator genético são muito raras. Em geral, a HA é causada pela interação entre fatores genéticos e ambientais.

Estima-se que os fatores genéticos sejam responsáveis por 30 a 50% da variação da pressão arterial. Em outras palavras, mesmo que um indivíduo tenha uma predisposição genética para o desenvolvimento de HA (como a presença de história de HA na sua família), a idade de aparecimento e a gravidade da HA vão depender dos seus hábitos de vida, como sedentarismo, obesidade, tabagismo e excesso de ingesta de sódio.

Até o momento, não é possível modificar os fatores genéticos que determinam a elevação da pressão arterial. Contudo, a boa notícia é que hábitos de vida saudáveis são responsáveis por uma parcela considerável do controle da pressão arterial.

Dessa forma, a melhor maneira de prevenir a HA é fazendo atividade física regular, além de evitar excesso de peso e tabagismo.

Leia também: