Valores de Referência da Vitamina D*

relogio 20/12/2017 - 15:02 Metabolismo Ósseo e Mineral

Como a hipovitaminose D é muito prevalente no Brasil e isto tem uma importância clínica significativa, uma comissão formada por membros do Departamento de Metabolismo Ósseo da SBEM e da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica Medicina Laboratorial desenvolveu um posicionamento com objetivo de sugerir uma melhor prática na solicitação e interpretação dos resultados da 25(OH) vitamina D.

Nesta publicação foi reforçado que há grupos de risco para a hipovitaminose D, como também situações clínicas onde níveis muito baixos de vitamina D terão consequências significativas. Nestes grupos estão incluídos os idosos, gestantes e lactantes, indivíduos com baixa exposição solar ou com contraindicação para tal, pacientes com osteoporose primária e secundária, doenças osteometabólicas, com fragilidade óssea, doenças crônicas ou em uso de medicações que afetam negativamente o metabolismo ósseo, como por exemplo, o corticoide.

Estas seriam as principais indicações clínicas para solicitação do exame para dosagem da 25(OH)D, não havendo então evidências na população adulta sem comorbidades, portanto, a triagem populacional indiscriminada não está indicada!

Outro posicionamento importante é em relação aos valores ideais da 25(OH)D para a população, os quais este posicionamento sugere uma estratificação de acordo com a  idade e as características clínicas individuais. Neste sentido, o valor desejável para população saudável até 60 anos é acima de 20 ng/mL e para as demais situações listadas acima, o valor ideal da 25OHD estaria entre 30 e 60 ng/mL.

Importantíssimo ressaltar que valores de 25(OH)D acima de 100 ng/mL representa um risco aumentado para toxicidade e, portanto, hipercalcemia.

Para acessar o documento, em PDF, clique neste link.

 

* Artigo-comentado, Dra. Carolina Moreira, presidente do Departamento de Metabolismo Ósseo e Mineral.

 

cbaem 2019