Resistência Androgênica

Eventos Médicos

Resistência Androgênica

por site em 15 de abril de 2021


Ivo J.P. Arnhold, Karla F.S. Melo, Elaine M. F. Costa, Débora Danilovic, Ana C. Latronico, Marlene Inácio e Berenice B. Mendonça. Unidade de Endocrinologia do Desenvolvimento e Laboratório de Hormônios e Genética Molecular / LIM-42, Disciplina de Endocrinologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

A diferenciação sexual masculina normal depende do: 1) estabelecimento do sexo cromossômico masculino no momento da fertilização (46,XY); 2) ativação de genes indutores da diferenciação da gônada primitiva em testículo; e 3) diferenciação da genitália interna e externa, mediada por hormônios testiculares. A diferenciação masculina da genitália externa em pênis, bolsa escrotal e uretra peniana requer adequada concentração de testosterona e conversão desta para diidrotestosterona (DHT), através da ação da 5 a – redutase em tecidos-alvo. As ações da testosterona e DHT requerem a presença de receptores androgênicos funcionais, os quais após a ligação com estes hormônios, ativam a transcrição de genes específicos em tecidos-alvo. Qualquer anormalidade na produção ou ação dos andrógenos, em um feto 46,XY entre a 9 a e a 13 a semanas de gestação, resultará em pseudo-hermafroditismo masculino por falha na masculinização da genitália externa, com desenvolvimento do fenótipo feminino (clitóris, grandes lábios, pequenos lábios e porção inferior da vagina) ou graus variáveis de ambigüidade genital. A síndrome de insensibilidade aos andrógenos (AIS) é uma doença com herança ligada ao cromossomo X que afeta pacientes com cariótipo 46,XY, nos quais há prejuízo total (forma completa, CAIS) ou parcial (PAIS) do processo de virilização intra-útero devido à alteração funcional do receptor de andrógenos (AR).

Avaliamos os dados clínicos, hormonais, psicológicos e moleculares de 33 casos com AIS ( 21 famílias). Onze pacientes (9 famílias) com diagnóstico de CAIS e 22 pacientes (12 famílias) com diagnóstico de PAIS. Identificamos mutações no gene do receptor androgênico e a etiologia da síndrome de insensibilidade aos andrógenos, em 86% das 21 famílias estudadas: 100% das famílias com insensibilidade completa aos andrógenos e 75% das famílias com insensibilidade parcial aos andrógenos. Identificamos 9 mutações no AR descritas anteriormente na literatura (N705S, W741C, M742V, R752X, Y763C, R779W, M807V, R855C e R855H) e 7 mutações foram descritas pela primeira vez nesta casuística (S119X, T602P, L768V, R840S, I898F, P904R e IVS3 – 60 G>A). A AIS é um modelo de ação estrogênica e ausência de ação androgênica e pode contribuir para o estudo do efeito dos andrógenos sobre o crescimento e mineralização óssea. Avaliamos a estatura e mineralização óssea de pacientes com CAIS e PAIS com mutação comprovada no AR. O início de desenvolvimento puberal espontâneo (telarca), ocorreu mais tardiamente do que a média da população feminina ou masculina normais. A altura final nos pacientes com CAIS foi +0,59±1,49 desvios-padrão para sexo feminino e -1,35±1,35 desvios-padrão para sexo masculino. Pacientes com CAIS e PAIS apresentaram comprometimento ósseo vertebral, mas preservado em colo de fêmur.

Concluímos que: 1) a identificação de mutação no AR é essencial para a classificação de pacientes com PHM como PAIS; 2) a presença de história familiar e/ou desenvolvimento de ginecomastia na puberdade auxiliam a seleção de pacientes para estudo genético; 3) a ginecomastia pode resultar da ação de níveis normais de estrógenos na falta de oposição da ação de andrógenos; 4) a ausência de pelos axilares é um sinal mais indicativo de CAIS do que os pelos pubianos; 5) o produto LH x T estava elevado em todos os pacientes com AIS indicando resistência no "feed-back" do LH e auxiliando o diagnóstico; 6) o tamanho do fálo e a resposta ao tratamento com doses elevadas de andrógenos é subnormal e variável; 7) em pacientes com sexo social feminino, a dilatação vaginal com moldes foi útil para preparar o comprimento vaginal para atividade sexual; 8) na puberdade, todos pacientes com PAIS mantiveram o sexo social atribuído na infância; 9) a estatura final foi intermediária entre as médias masculina e feminina normais; 10) diminuição da mineralização óssea vertebral nos pacientes indica falta de ação androgênica no osso.