Prof. Dr. Bernardo Leo Wajchenberg (USP, São Paulo, Brasil)

PRÊMIO LUIZ CÉSAR PÓVOA

Prof. Dr. Bernardo Leo Wajchenberg (USP, São Paulo, Brasil)

por site em 14 de junho de 2021


O Dr. Bernardo Leo Wajchenberg é um dos maiores ícones da história da Endocrinologia brasileira, tendo sido autor de mais de 200 artigos científicos, dois livros e dezenas de capítulos em publicações. Em 2007, recebeu o Distinguished Physician Award, da Endocrine Society, onde o seguinte memorando foi publicado em sua homenagem:
“O professor Bernardo Leo Wajchenberg passou mais de 50 anos na endocrinologia acadêmica, destacando-se como clínico, mentor e investigador clínico e científico básico em áreas tão diversas como diabetes, doenças adrenais e tireoidianas, genética e endocrinologia reprodutiva. A Endocrine Society tem o prazer de reconhecer a amplitude, profundidade e longevidade de sua ilustre carreira. O reconhecimento das realizações do Dr. Wajchenberg começou no início de sua carreira em 1950, com o recebimento do Prêmio da Fundação Rockefeller como o graduado de destaque em sua classe da Faculdade de Medicina na Universidade de São Paulo, Brasil. Depois de concluir a residência em Medicina Interna no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, ele se aventurou ao norte para se tornar um Lilly Research Laboratories Fellow na Universidade de Minnesota, seguido por W.K. Kellogg Fellowship da University of Michigan. Ele voltou para sua alma mater, onde passou de assistente júnior a Chefe da Unidade de Diabetes e Adrenal, presidente da Divisão de Endocrinologia e Metabologia e Chefe do Laboratório de Pesquisa Médica e, finalmente, para se tornar Vice-Chefe do Departamento of Medicina. Apesar da carga administrativa, ele orientou pessoalmente oito candidatos a mestrado, seis doutorados candidatos e dez candidatos ao Doutorado em Medicina. Seus alunos seguiram para suas próprias carreiras produtivas, com mais de 300 publicações revisadas por pares entre eles. Ele é descrito por seus ex-alunos como “um trabalhador incansável, um perfeccionista … e um homem de absoluta integridade e princípios”.
A produtividade da pesquisa do Dr. Wajchenberg começou com uma publicação de 1954 na Gastroenterologia, intitulada “Urinary Exccretion of Aminoacids in Diffuse Hepatic Necrosis.” Seu primeiro artigo na Nature foi publicado em 1957 abordando padrões eletroforéticos. Durante sua estimada carreira, o Dr. Wajchenberg publicou 253 artigos revisados por pares em três idiomas. Vinte e sete de suas publicações foram nos periódicos da The Endocrine Society, começando em 1963 no The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism até abril de 2007 na Endocrine Reviews (seu terceiro manuscrito na publicação). Nos últimos dois anos, ele teve artigos publicados no Metabolism, Journal of Applied Physiology, and Diabetic Medicine. Seus colaboradores abrangeram os vencedores do Prêmio Laureate da Sociedade e incluíram celebridades como Andrew Schally, Jerome Conn, Steve Fajans, Leslie DeGroot, Marvin Kirschner e Gerry Reaven. Mais recentemente, seus colaboradores incluem George Chrousos e Alan Shuldiner.
Do ponto de vista da pesquisa, Bernardo sentiu-se perfeitamente bem entre a bancada e o leito. Desde seu trabalho inicial no desenvolvimento de radioimunoensaios e no estabelecimento de um laboratório de medicina nuclear brasileiro, à introdução da espectroscopia de ressonância magnética na avaliação de lipídios hepáticos e estudos fundamentais da ação da insulina, Bernardo usou técnicas para aprofundar nossa compreensão da fisiologia humana e doença. Seu trabalho sempre volta ao tema central de tornar a vida melhor para aqueles de quem cuidamos. Quer seja a introdução de o, p′-DDD para o tratamento do carcinoma adrenocortical (Annals of Internal Medicine, 1963), os efeitos metabólicos das sulfonilureias (Metabolism, 1956) ou o mecanismo de ação da fenformina (Diabetes, 1967), seu trabalho afetou positivamente o atendimento ao paciente. Ele foi investigador principal com maior recrutamento do Estudo BARI-2D, um estudo patrocinado pelo NIH que examinou a segurança e eficácia relativas de um regime de fornecimento de insulina versus poupador de insulina no tratamento de diabetes tipo 2 complicado por doença arterial coronária. Os interesses e experiência de Bernardo conquistaram vários prêmios e ainda mais nomeações políticas. Ele atuou como presidente da SBEM, da Sociedade Brasileira de Diabetes e da Associação Latino-Americana de Diabetes. Atuou no Comitê Executivo da Federação Internacional de Diabetes, no Comitê de Programa do Congresso Internacional de Endocrinologia e como vice-presidente da Sociedade Brasileira de Biologia e Medicina Nuclear. Sua contribuição científica para o diabetes foi reconhecida pela Sociedade Brasileira de Diabetes com o Prêmio Francisco Arduíno em 2003.
Em 2001, o Dr. Wajchenberg começou a desacelerar, aposentando-se da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e tornando-se Professor Emérito de Medicina. Não surpreendentemente, isso não durou muito e ele aceitou o convite para se tornar o Coordenador do Serviço de Diabetes e Coração do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas, retornando à sua paixão original de cuidar dos pacientes e ensinar. Ele não apenas continua a circular com alunos e colegas, direcionando o atendimento aos pacientes nas enfermarias, como também assumiu a tarefa realmente assustadora de ensinar aos cardiologistas a fisiopatologia e a terapêutica do diabetes e doenças metabólicas! Bernardo Leo Wajchenberg é um estimado membro da Endocrine Society há 42 anos, e realmente merece ser reconhecido como o ganhador do Prêmio Médico Distinto em 2007”.
Dr. Bernardo Leo faleceu em 21 de agosto de 2017.