Suspensão nos Atendimentos

relogio 25/10/2011 - 11:18 Notícias

Nesta terça-feira, 25 de outubro, médicos de 21 estados brasileiros devem protestar contra a baixa remuneração e as más condições de trabalho e de assistência oferecidas no âmbito da rede pública de saúde. O movimento é coordenado pela Comissão Pró-SUS (Conselho Federal de Medicina, Associação Médica Brasileira e Federação Nacional dos Médicos) e a previsão é de adesão de pelo menos 50% 195 mil médicos que trabalham no SUS.

Segundo a organização, serão suspensos os atendimentos eletivos (consultas, exames e outros procedimentos) durante todo o dia. Em Piauí, a paralisação deve se estender por 72 horas. Em alguns estados, como Santa Catarina e São Paulo, a parada será apenas em algum período do dia ou em algumas Unidades de Saúde.

Em todos os estados, ficará assegurado o trabalho nas unidades de urgência e emergência e todos os demais atendimentos serão remarcados.

Reinvindicações

Entre as principais dificuldades relatadas pelos médicos estão a baixa remuneração, a não implantação da CBHPM e a defasagem da tabela SUS. Ainda segundo a organização, a ausência de um plano de carreira, a precarização dos vínculos de emprego, as contratações sem concurso e a falta de isonomia salarial na mesma rede do SUS também afetam a qualidade do atendimento.

De acordo com um levantamento informal feito pelas entidades médicas, a média do salário-base (sem gratificações ou outros tipos de adicionais) pago ao profissional com contrato de 20 horas semanais fica em R$ 1.946,91. Os valores oscilam de R$ 723,81 a R$ R$ 4.143,67.

A Paralisação nos Estados

  • Acre – As entidades médicas confirmam a adesão dos profissionais do Acre ao protesto, sendo que eles decidiram suspender os atendimentos eletivos na data. Está prevista a realização de atos públicos.
  • Alagoas – No Estado, os 1.638 médicos que atendem pelo SUS suspenderão suas atividades. As consultas e exames não realizados serão reagendados, sendo que nos estabelecimentos de saúde foram fixados avisos para a população com antecedência com informes sobre o motivo do protesto.
  • Amapá – Os médicos do Amapá prometem suspender os atendimentos eletivos, assegurando o funcionamento das urgências e emergências. Na data do protesto, as entidades locais realizarão assembleia, na sede do Conselho Regional de Medicina, para discutir as más condições de trabalho e a baixa remuneração dos profissionais.
  • Amazonas – Em Assembleia Geral Extraordinária, os médicos amazonenses decidiram  fazer uma carreata contra as más condições de trabalho e a baixa remuneração dos profissionais oferecidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Segundo o Sindicato do Amazonas, os médicos vão paralisar os atendimentos de rotina, e, dependendo das decisões tomadas neste dia, entrar em greve.
  • Bahia – As entidades médicas estaduais confirmam a paralisação do atendimento dos procedimentos eletivos em 25 de outubro. Em Salvador, estão previstas concentrações de médicos.
  • Ceará – Todos os médicos do serviço público do Ceará (Estado e Municípios) foram convidados a paralisarem suas atividades no dia 25 de outubro. Também como parte das ações em defesa do SUS, haverá no dia 25, às 15h uma sessão política na Assembleia Legislativa do Ceará, em comemoração pelos 70 anos do sindicato dos médicos cearenses.
  • Distrito Federal – Os médicos de Brasília não vão paralisar suas atividades no dia 25 de outubro, no entanto, a data não passará em branco. O Sindicato dos Médicos lançará um hotsite com os relatórios das visitas do sindicato às unidades de saúde do DF (projeto SindMédico na Cidade). Nos documentos, são denunciadas as condições de trabalho inadequadas e o sucateamento do sistema de saúde pública no DF.
  • Espírito Santo – Haverá paralisação por 24 horas do atendimento ambulatorial em todas as unidades públicas de saúde na capital, Vitória, e nos municípios do interior.  Nas concentrações organizadas pelas entidades médicas, o preto será a cor predominante em faixas e nas roupas dos participantes em sinal de luto pela situação da saúde pública no Estado. No Espírito Santo, a partir do slogan “Eu Luto pela Saúde. E você?” os médicos querem estimular a população a refletir sobre o problema e se aliar ao movimento deflagrado.
  • Goiás - Os médicos também devem aderir à suspensão do atendimento nas unidades públicas por 24 horas. Representantes das entidades médicas locais deverão visitar alguns estabelecimentos de saúde – na capital e no interior – para denunciar os problemas que afetam o trabalho dos profissionais e afetam diretamente a população. 
  • Maranhão – Em 25 de outubro, data em que os médicos suspenderão os atendimentos eletivos do estado na rede pública, haverá um grande Fórum de Saúde Pública, com a presença maciça de médicos, secretários de saúde e outros gestores da rede pública, além de políticos e autoridades. 
  • Mato Grosso – Haverá suspensão de atendimentos eletivos em todas as unidades do SUS, no Estado. Como em outros locais, apenas estará garantido o funcionamento dos setores de urgência e emergência. Estão previstas manifestações em frente aos principais hospitais de Cuiabá para chamar a atenção da sociedade para os problemas da rede pública na região. 
  • Mato Grosso do Sul – As entidades médicas locais organizarão manifestações em frente a alguns pontos de atendimento em Campo Grande. Nas mobilizações, os médicos explicarão para a sociedade os motivos do protesto da categoria. Não haverá suspensão das atividades no estado.
  • Minas Gerais – Os médicos mineiros bateram o martelo e confirmaram adesão ao movimento de 25 de outubro. Não haverá atendimento de consultas e outros procedimentos eletivos na rede pública.
  • Pará – Os médicos confirmam a suspensão das consultas e procedimentos eletivos no dia 25. Apenas as cirurgias que já estavam marcadas serão realizadas. As áreas de urgência e emergência também funcionarão.
  • Paraíba – Está previsto um ato público em frente ao Busto de Tamandaré, com a participação de médicos, lideranças e representantes da sociedade. O  atendimento eletivo aos pacientes do SUS também será suspenso, conforme as  diretrizes do movimento nacional.
  • Paraná – A coordenação estadual do movimento médico organizou um ato público para marcar o protesto de 25 de outubro. De 9h às 18h, na Boca Maldita (ponto tradicional do centro de Curitiba), médicos distribuirão folhetos informativos para chamar a atenção da sociedade para as dificuldades encontradas na rede local. 
  • Pernambuco – No dia 25 de outubro, haverá paralisação dos atendimentos eletivos, mas as entidades médicas do estado também programam uma forma diferente de protestar. Será realizada a campanha "Médicos dão sangue pelo SUS", que consiste numa grande mobilização no Parque da Jaqueira (Zona Norte do Recife), onde os médicos serão convidados a doarem sangue. 
  • Piauí – Os médicos piauienses prolongarão o protesto de 25 de outubro. No estado, a suspensão dos atendimentos eletivos nas unidades da rede pública será por 72 horas. O protesto será encerrado apenas no dia 27. Apenas os atendimentos de urgência e emergência estão garantidos. 
  • Rio de Janeiro – Em frente à Assembleia Legislativa do Estado, haverá protesto para reivindicar por melhores salários e condições de trabalho. Os médicos cariocas reclamam do subfinanciamento da rede pública, da falta de estrutura e de equipamentos nas unidades do SUS, da falta de recursos humanos e da remuneração baixa.
  • Rio Grande do Norte – No Estado, acontecerá a suspensão dos atendimentos eletivos por 24 horas, salvo em casos de urgência e emergência. O dia será marcado por uma manifestação pública na Praça 7 de Setembro, em frente à Assembleia Legislativa, além de visita a unidades de saúde, onde serão prestados esclarecimentos aos profissionais e a população. 
  • Rio Grande do Sul – Em Porto Alegre, os médicos decidiram fazer uma paralisação para marcar o Dia Nacional em Defesa do SUS. A mobilização foi aprovada em assembleia geral extraordinária que também definiu o início de nova campanha por aumento salarial da categoria. Ainda em 25 de outubro, está programado ato público na Câmara de Vereadores da Capital, a partir das 16h, com a participação de representantes dos hospitais conveniados e de outras categorias da área da saúde. 
  • Rondônia – Os médicos da rede pública do estado decidiram aderir ao movimento nacional e protestaram contra a crise do SUS com a suspensão dos atendimentos eletivos por 24 horas. O funcionamento das urgências e emergências será normal. 
  • Roraima – Não haverá suspensão das atividades.
  • Santa Catarina - Em defesa do SUS, os médicos catarinenses optaram por suspender suas atividades no dia 25 de outubro durante uma hora. No início da tarde, entre 13h e 14h, os profissionais não realizarão atendimento eletivos e se concentrarão em frente ao Hospital Celso Ramos. O protesto não atingirá os setores de urgência e emergência dos prontos-socorros, hospitais e ambulatórios.
  • São Paulo – A situação dos médicos do SUS será denunciada na Assembleia Legislativa e na Câmara Municipal de São Paulo, durante audiências públicas com os parlamentes. Além do protesto da categoria, já foram confirmadas paralisações localizadas. Os médicos dos Hospitais Emílio Ribas, do Servidor Estadual e do HC de Ribeirão Preto não farão atendimento eletivos no dia 25. Outros protestos devem ocorrer em diferentes municípios. 
  • Sergipe – Os atendimentos eletivos serão suspensos no dia 25. 
  • Tocantins – As entidades médicas tocantinenses pretendem aproveitar a data para esclarecer à população e aos profissionais da saúde sobre os problemas que afetam o SUS localmente. Não está prevista a suspensão dos atendimentos eletivos.
cbaem 2019
Pro Endocrino abril 2019