SOS Rio: Situação de Emergência

relogio 17/01/2011 - 16:28

Por causa da catástrofe ocorrida na Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro, muitos pacientes com diabetes ficaram sem seu material de tratamento (insulina, medicação, tiras para teste de glicemia).

Em situações como essas, o ideal é que o paciente procure por algum hospital ou posto de atendimento, informando que tem diabetes. Diga ao médico ou enfermeiro quais as quantidades de medicação toma diariamente. Os profissionais de saúde que estejam atendendo nessa situação devem perguntar se o paciente tem alguma patologia e se usa medicação de uso contínuo. É importante não alterar a dose dos remédios, exceto em caso de hipo ou hiperglicemia.

 Catástrofe no Rio, foto Celso Pupo

Dra. Rosane Kupfer, Chefe do Serviço de Diabetes do IEDE, informa que é importante que todo paciente com diabetes, que esteja em localidades afetadas, procure algum hospital de campanha, associação de pacientes ou a Secretaria Municipal para conseguir o material de tratamento. "Quem tem diabetes não pode, em hipótese alguma, ficar sem tratamento. É considerada uma situação de emergência. Portanto, em caso de falta de remédios e fitas, procure imediatamente um hospital de campanha ou a Secretaria Municipal. As associações de pacientes com diabetes também têm ajudado muito para que não falte tratamento”, explica a médica.

Segundo Dra. Rosane, é preciso ter cuidado na organização da armazenagem da medicação. “É importante, por exemplo, manter a insulina refrigerada. Soube de alguns locais que estão usando até baterias de carro para gerar energia para refrigeradores e, assim, manter os vidros de insulina na temperatura certa”, conta a médica.

Situações de Alerta

Tanto os profissionais de saúde, quanto os pacientes, devem ficar atentos às seguintes situações:

  • Caso tenha acesso a um glicosímetro veja se a glicemia igual ou acima 250mg/dl.
  • Sintomas de hipoglicemia: suor frio, desmaio, dor de cabeça, taquicardia, visão turva ou dupla, tontura, agressividade, confusão mental.
  • Sintomas de hiperglicemia: sede exagerada, urinar com frequência, cetona elevada na urina (caso tenha como medir), fraqueza, prostração, dor de estomago, dificuldade de respirar, vômitos, visão borrada.

Veja onde podem ser entregues as doações no Rio de Janeiro.


Catástrofe no Rio, foto Celso Pupo