Simpósio – Diagnóstico e Tratamento do Hipogonadismo Masculino Ligado ao Envelhecimento

Eventos Médicos

Simpósio – Diagnóstico e Tratamento do Hipogonadismo Masculino Ligado ao Envelhecimento

por site em 15 de abril de 2021


Nossa experiência Clínica para Diagnóstico e Tratamento de PADAM
Y.Sato et al. Japan

243 pacientes foram avaliados por seus sintomas e nível de testosterona. 143 pacientes foram avaliados para a eficácia do tratamento após três meses de seguimento.

Resultados: Os principais sintomas dos pacientes foram classificados como psicológicos, somatovegetativos e sexuais na proporção de 51%, 36% e 19% respectivamente .21% dos pacientes mostraram níveis de testosterona total mais baixos que sua faixa normal (2.7-10.7ng/ml pelo método do RIA). A proporção de níveis de testosterona total abaixo de 2.0ng/dl foi de 9%, este é o critério recomendado pelos guidelines da AACE para reposição de T.

Dependendo dos critérios de deficiência androgênica nem todos os pacientes apresentaram níveis baixos de T total e livre 48%,26%, e 26% dos pacientes respectivamente foram tratados com RP(reposição de testosterona) e M (medicação), somente RP e somente M. As medicações usadas foram antidepressivos fitoterápicos e inibidores da Pedf5. 72% dos pacientes apresentaram melhora de seus sintomas. Nos pacientes tratados com RP não houve diferença significativa do seu PSA antes e após o tratamento.

Conclusão: pacientes com suspeita de PADAM apresentam vários sintomas clínicos e aspectos endócrinos. Pode ser importante distinguir PADAM e depressão. Tratamento apropriado deve ser dado de acordo com os sintomas clínicos e aspectos endócrinos

Depressão, Estado de Saúde e Hormônios Gonadais em Velhos
G. Sjoen, Dept. of Endocrinology University Hospital Ghent, Bélgica

Envelhecimento é associado com uma crescente prevalência de problemas de saúde mentais e físicos. O objetivo do estudo foi determinar (1) a ocorrência de depressão num grupo de velhos e (2) a possível associação entre esteroides sexuais, estado de saúde geral e um Geriatric Depression Scale. Foram estudados 236 pacientes, a idade média era de 75.3 anos.

Conclusão: Os números do GDS mais altos foram correlacionados com níveis mais altos de E2 livre e DHEA mais altos. O significado da associação entre GDS e E2 ainda tem que ser ainda estabelecida: os dados não confirmam um papel para a deficiência de testosterona na depressão.

A falta de Estrógenos é Responsável pelo Envelhecimento do Homem?
V. Rochira, et al., Dept. End. Univ. of Modena, Itália

Deficiência estrogenica congênita em animais resulta em sinais de envelhecimento precoce. Falta de atividade estrogênica causa osteoporose, dislipidemia, aterogenese precoce, esteatose hepática, resistência á insulina e doença cardiovascular em ratos machos ERKO durante o seu desenvolvimento. No homem estradiol sérico é diretamente ligado à densidade mineral óssea e o declínio de estrógeno no envelhecimento causa perda óssea Dados de casos de deficiência estrogênica congênita humana dão novo insight no papel de estrógenos no metabolismo de glicose, lípides e hepático em homens. Casos de deficiência estrogenica congênita em homens (deficiência de aromatase), de fato sugere que uma alteração importante da relação E/T no homem pode representar uma situação de alto risco para o desenvolvimento de resistência à insulina no homem. De acordo com isso, tratamento estrogênico em homens com deficiência de aromatase resulta numa melhora da acanthosis nigricans da resistência à insulina, associado a melhor controle glicemico e às vezes melhora de esteatose hepática e ate desaparecimento de placas na carótida. Estrogênios têm papel positivo no aparelho cardiovascular masculino e sua suplementação no homem pode ter possíveis efeitos benéficos principalmente no envelhecimento. Já foram demonstrados alterações precoces de morfologia e função coronariana em homens jovens estrogênio resistentes. Estes fatos incomuns na juventude reforçam a hipótese de que deficiência estrogênica pode ser considerada uma condição que predispõe a envelhecimento precoce do sist. cardio vascular e estes pacientes necessitam de um seguimento clínico adequado.

Estes achados enfatizam um crescente número de ações dos estrógenos que não são sexualmente dimórficos e que não estão ligados á reprodução, mas se refere a ações ainda não reconhecidas de estrógenos nos parâmetros metabólicos dos homens. Novas pesquisas nesse campo vão demonstrar o papel do estrógeno em se contrapor ao envelhecimento masculino.