Manifestação em 3 de Julho

relogio 26/06/2013 - 21:35 Notícias

AMB realiza Assembleia Extraordinária com o objetivo de alinhar as entidades para um posicionamento sobre a saúde no Brasil. Graves relatos foram feitos e uma manifestação foi convocada para o dia 3 de julho.

O Dr. Felipe Henning Gaia Duarte, doutor em Endocrinologia pela Faculdade de Medicina da USP, representou a SBEM na reunião e fez um relato sobre a reunião:

"Foram feitos comentários sobre a posição atual do Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, em relação à estratégia de melhora da saúde e, por unanimidade, todos os presentes foram contra a posição de importar médicos de Cuba.

Foram trazidos dois representantes estrangeiros, um da Bolívia e outro da Venezuela, para prestarem depoimentos sobre o efeito da entrada de médicos cubanos nos seus respectivos países. O representante da Bolívia relatou dados marcantes da falta de preparo e iatrogenias cometidas pelos profissionais e, inclusive, colocou em cheque se a maioria era, realmente, formada por médicos, pois não apresentavam nem ao menos um diploma federal expedido pelo pais, titulando-os como médicos.

Em alguns casos apresentavam um papel digitado no Word apenas dizendo que era médico. O mesmo relato foi feito pelo representante da Venezuela, que deu um depoimento ainda mais marcante sobre a falta de preparo do profissionais.

Durante a explanação foi trazido a baila um documento, fornecido por grupos de médicos bolivianos que fugiram para outros países, no qual continha um código de comportamento para o médico que se assemelhava a escravidão.

Neste texto era citado, por exemplo, que os médicos cubanos não poderiam se ausentar do seu local de trabalho sem anuência do supervisor não médico; não poderiam sair da cidade na qual foram locados; e nem ao menos poderiam se relacionar afetivamente com locais.

O pagamento a estes médicos, ao que parece, seria feito ao governo Cubano que repassaria posteriormente aos médicos.

Foram feitos ainda comentários sobre o erro grave do Ministério da Saúde que, por ingerência administrativa, deixou de usar R$ 17 bilhões do orçamento do ano passado, por aparente despreparo administrativo.

Como medidas para a saúde foi proposto batalhar pelas PECs, que visam destinar 10% do orçamento bruto da união para a saúde, suprindo a demanda de recursos e pela PEC. Isso teria como meta criar a carreira do médico, federalizada, de modo a remunerar e dar garantias profissionais aos médicos que ingressarem no estado.

O deputado Eleuses Paiva, presente na reunião, comentou bastante sobre o momento político atual no qual o Governo quer vilanizar o médico como o causador do falta de saúde nacional, com objetivo de esconder a falta de recursos especialmente após a divulgação recente  dessa ingerência em não utilizar os 17 bilhões que ficaram parados na pasta da saúde. O governo quer por todos os lados por a culpa no médico e isso parece estar claro nos bastidores da política.

Segundo ele, a atual conjuntura social é uma das raras vezes que o Governo tem sentido a força do povo e temendo mais repercussões pode estar mais acessível para mudanças.

Todas entidades citadas, bem como os representantes dos residentes e dos acadêmicos, foram unânimes em agendar uma manifestação nacional no dia 03.07 a partir das 10 horas com objetivo de lutarmos pela saúde."

Para o representante da SBEM Nacional na reunião, Dr. Felipe Henning Gaia Duarte, acredita que é fundamental a participação de todos. Ele sugere que para os que não puderem ir às ruas "que encontrem alguma forma de se manifestar, inclusive pelas redes sociais ou usando um fita preta na roupa durante o trabalho, comentando com os paciente ou qualquer coisa que mostre as pessoas que estamos lutando de alguma forma por melhorias não só para nós médicos, mas pela saúde".

Durante a reunião foram mencionados vários links tem mais relatos sobre a reunião de hoje.




cbaem 2019
Pro Endocrino abril 2019