Dilma Rousseff Apresenta o Mais Médicos

relogio 08/07/2013 - 22:44 Notícias

Em meio as manifestações programadas pelos médicos, a presidenta Dilma Rousseff lançou, nesta terça-feira, o Pacto Nacional pela Saúde – Mais Hospitais e Unidades de Saúde, Mais Médicos e Mais Formação.O programa promete aumentar o número de médicos 374 mil para 600 mil até 2026.

Mais Médicos é dividido em três eixos principais: o primeiro é a abertura de novas vagas para a graduação e residência médica, o que, segundo o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, precisa ser conjunto. Os demais itens são: o aprimoramento da formação do médico e a chamada para levar os profissionais brasileiros ao interior do Brasil. O projeto entra em vigor como Medida Provisória e será publicada no dia 9 de julho, no Diário Oficial da União.

Programa Mais Médicos

Estas medidas fazem parte do plano do governo para aumentar o número de médicos, que hoje é de 1,8 profissionais para cada mil habitantes, enquanto que em países como a Argentina tem 3,2 e o Uruguai com 3,7 médicos. A meta do governo é chegar a 2,5 médicos por mil habitantes.

"Toda a pessoa tem que ser atendida com dignidade. Todo atendimento tem que ser humano e eficiente. O maior desafio é suprir esse necessidade com profissionais. O programa não tem como principal objetivo trazer médicos do exterior e sim levar mais saúde para o interior do Brasil", afirmou a presidenta.

Novas Vagas e a Formação

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, anunciou a criação de 5.930 novas vagas para novos cursos de medicina, destas 800 serão oferecidas por universidades particulares e as demais em federais. A maioria deve ser no norte e nordeste. Durante o anúncio, ainda foi apresentado o novo plano de formação dos estudantes que ingressarem na faculdade de medicina a partir de 2015.

Até 2015, 35 mil novos postos de trabalho serão abertos, como consequência de investimentos já contratados para criação de hospitais, Unidades de Pronto Atendimento e Unidades Básicas de Saúde.

A mudança na grade curricular incluirá um segundo ciclo de dois anos de trabalho no Sistema Único de Saúde, primeiro na atenção básica, em um segundo momento na urgência e emergência. Enquanto estiver prestando serviços no SUS, o estudante ficará ligado a faculdade em que se formou e aguardará por uma autorização provisória dos Conselhos Regionais de Medicina. Está programado para receber uma bolsa que vai variar de R$ 3 mil a R$ 8 mil, pagos pelo Ministério da Saúde. “O médico, antes de mais nada, deve se especializar em cuidar de gente”, disse o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Edital

No dia 9 de julho será divulgada a Chamada Nacional de Médicos, que é um edital que chama os médicos brasileiros para trabalhar na atenção básica. Aqueles que se propuserem a trabalhar deverão cumprir seu horário, por até três anos, nas periferias das grandes cidades e no interior dos Estados, principalmente no Norte e Nordeste. A bolsa auxílio de R$ 10 mil será custeada integralmente pelo Ministério da Saúde.

Caso sobrem vagas, os brasileiros formados no exterior ou estrangeiros podem ser chamados. Hoje são 1.582 áreas prioritárias para o recebimento dos médicos. A expectativa é que os brasileiros comecem a trabalhar em 2 de setembro e os médicos do exterior em 19 de setembro.

Para que os estrangeiros assumam as vagas remanescentes eles deverão ter habilitação para o exercício da medicina no país de origem, ter conhecimento da língua portuguesa e ser proveniente de um país com mais de um médico por mil habitantes. Caso eles estejam aptos a exercer a medicina no Brasil, os estrangeiros serão avaliados e supervisionados por universidades federais e pelas secretarias municipais de saúde, e receberão uma autorização para trabalhar exclusivamente na atenção básica.
“Nosso objetivo principal não é trazer mais médicos e sim levar mais saúde para o interior das grandes cidades brasileiras

Estrutura Física

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse que hoje mais de 800 hospitais estão em obras para melhorar o atendimento a população, e que cerca de R$ 1,8 bilhão está sendo investido na compra de equipamentos.

Das Unidades de Pronto Atendimento 24 horas, 877, receberam R$ 1,4 bilhão para reformas e ampliação. Já as 16 mil Unidades Básicas de Saúde tiveram disponibilizados R$ 2,4 bilhões, destas 3.197 em funcionamento, mas precisando de mais médicos e outras 12.593 estão em obras.

Coletiva Cancela

Estava programada uma coletiva com a imprensa após a apresentação do programa. Uma área para a imprensa foi montada, onde passariam as autoridades. Com a aproximação da presidente Dilma, os jornalistas se agitaram, derrubando a área onde a imprensa deveria ficar. Por causa disso, a coletiva foi encerrada e muitas dúvidas não puderam ser esclarecidas com a presidente. (fotos Roberto Stuckert/PR)

Cobertura em Brasília - Fernanda Couto

cbaem 2019
Proendocrino set 2018