Dia Mundial das Doenças Raras

Notícias

Dia Mundial das Doenças Raras

por site em 15 de abril de 2021


Uma lei, aprovada pelo Congresso Nacional, em 10 de julho de 2018, decretou que o último dia do mês de fevereiro é o Dia Nacional de Doenças Raras. Com isso, a data mundial foi adotada também no Brasil de forma oficial.

Assim como as doenças raras, fevereiro é o mês diferente do calendário, variando entre 28 e 29 dias. Por isso, em 2021, 28 de fevereiro é lembrado o Dia Mundial das Doenças Raras.

A data tem como objetivo fomentar e discutir as necessidades e os obstáculos enfrentados por pessoas que lidam com essas condições.

Para esclarecer a população, a SBEM, através da Comissão de Campanhas, divulga conteúdos com informação segura nesta área. Entre os pontos importantes está a necessidade de detectar doenças raras, o mais breve possível.

O que É uma Doença Rara?

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), uma doença é classificada como rara quando afeta até 65 pessoas em cada 100 mil indivíduos, ou seja, 1,3 para cada 2 mil pessoas. O mundo tem cerca de 300 milhões de pessoas com Doenças Raras.

No Brasil, a estimativa é que 13 milhões de pessoas convivam com alguma condição rara. A maioria dessas doenças — 75% — se manifesta no início da vida e acomete, principalmente, crianças até 5 anos de idade.

Geralmente, as doenças raras são crônicas, progressivas e incapacitantes, podendo ser degenerativas, afetando a qualidade de vida, e também levar à morte. Elas são caracterizadas por uma grande variação de sinais e sintomas. Entre os exemplos dessas enfermidades estão a esclerose múltipla, hemofilia, neuromielite óptica e o autismo.

Na Endocrinologia, existem diversas doenças classificadas como raras, como: acromegalia, hipotirodismo congênito, hiperplasia adrenal congênita, pseudohipoparatiroidismo, deficiência da 21 hidroxilase, osteogênese imperfecta, Doença de Cushing, Doença de Addison, adrenoleucodistrofia, hipopituitarismo, neoplasias endócrinas múltiplas; osteogênese imperfeita, entre tantas outras.

Uma das mais conhecidas é o hipotireoidismo congênito. O Teste do Pezinho – se feito no período adequado, ou seja, entre 48h e o quinto dia após o nascimento faz o diagnóstico precoce e o tratamento pode controlar os efeitos da doença. O exame, oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS), pode diagnosticar: fenilcetonúria, hipotiroidismo congênito, doença falciforme, fibrose cística, deficiência de biotinidase e hiperplasia adrenal congênita.

Por serem raras, conseguir tratamento não é uma questão simples e o acesso ao diagnóstico e à terapia adequada ainda são dificuldades enfrentadas pelos pacientes. Assim, a discussão e a implementação de políticas de saúde para essas doenças é uma questão que deve se manter constantemente em pauta.

Diagnóstico, Protocolos e Tratamentos

Cerca de 80% das Doenças Raras são decorrentes de fatores genéticos, enquanto os outros 20% advêm de causas ambientais, infecciosas e imunológicas. Em geral são crônicas, progressivas, degenerativas e podem levar à morte. No entanto, um tratamento adequado é capaz de reduzir complicações e sintomas, assim como impedir o agravamento e evolução da doença.

Atualmente, existem 36 Protocolos de Tratamento, que orientam médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e demais profissionais de saúde sobre como realizar o diagnóstico, o tratamento e a reabilitação dos pacientes, bem como a assistência farmacêutica no SUS.

Desde 2014, o Brasil adota a Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras, com Lei que regulamenta a rede de atendimento para prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação.

Segundo o Ministério da Saúde, o SUS disponibiliza atendimentos para prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação de pessoas com doenças raras, além de tratamento dos sintomas. Dentro da regulamentação, o SUS incorporou 19 exames de diagnóstico.

A SBEM reforça a importância de sempre compartilhar informações de fontes seguras para um maior entendimento da população na área da saúde.

Acompanhem também avisos e informes nas redes sociais da SBEM Nacional.

dia mundial das doencas raras

 

*A Campanha é coordenada pela Comissão de Campanhas, presidida pela Dra. Mariana Guerra, e Comissão de Comunicação Social que tem como presidente o Dr. Ricardo Meirelles – gestão 2021/2022.