Dados do Ipea

relogio 15/02/2011 - 15:26

Com o objetivo de avaliar a percepção da população quanto a qualidade dos serviços prestados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, recentemente, o Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) com o tema “saúde”. Foram avaliados o atendimento em centros ou postos de saúde, atendimento pela Saúde da Família, a distribuição gratuita de medicamentos, atendimento por médicos especialistas e de urgência e emergência.

De acordo com os dados, os serviços do SUS possuem avaliação mais positiva por aqueles que costumam utilizá-los, em comparação com aqueles que não os utilizam. O atendimento por membro da Equipe de Saúde da Família (ESF) foi aquele que obteve a maior proporção de opiniões positivas entre os entrevistados. No Brasil, 80,7% dos entrevistados que tiveram seu domicílio visitado por algum membro da Equipe de Saúde da Família opinaram que o atendimento prestado é muito bom ou bom.

A distribuição gratuita de medicamentos no SUS foi qualificada como muito boa ou boa por 69,6% dos entrevistados e como ruim ou muito ruim por 11% destes. O atendimento por médico especialista no SUS foi o terceiro serviço com maior proporção de opiniões positivas: 60,6% dos entrevistados que utilizaram ou acompanharam alguém que utilizou opinaram que esse serviço é muito bom ou bom, enquanto 18,8% o consideraram ruim ou muito ruim.
 
O atendimento prestado em centros e/ou postos de saúde e o atendimento de urgência ou emergência foram os serviços com as menores proporções de qualificações positivas. O atendimento em centros e/ou postos de saúde recebeu a menor proporção de qualificações como muito bom ou bom (44,9%) e a maior proporção de qualificações como ruim ou muito ruim (31,1%), dentre os serviços pesquisados. Dentre os entrevistados que utilizaram ou acompanharam alguém de sua família em um atendimento de urgência ou emergência, 48,1% consideraram que o atendimento é muito bom ou bom, e 31,4% qualificaram o atendimento como ruim ou muito ruim.

Para Dr. Ricardo Meirelles, presidente da SBEM, a avaliação dos dados é importante, afinal o grande número de endocrinologistas que trabalha no serviço público procura prestar uma assistência de qualidade, apesar de todas as dificuldades. “Precisamos, no entanto, chamar a atenção para o fato de que, embora a Equipe de Saúde da Família preste um importante serviço de assistência primária, é fundamental a existência de centros de referência bem equipados em recursos materiais e humanos, capazes de atender aos acasos mais complexos”, afirma.
 
Os dados para a realização do SIPS Saúde foram coletados entre 3 a 19 de novembro de 2010. No total, foram entrevistadas 2.773 pessoas residentes em domicílios particulares permanentes, em todas as unidades da federação.

Fonte: Associação Médica Brasileira (AMB)