Aumento de Vagas

Notícias

Aumento de Vagas

por site em 15 de abril de 2021


Diante da decisão do Governo de abrir mais 2145 novas vagas para alunos em cursos de Medicina, no dia 5 de junho, o Conselho Federal de Medicina (CFM) criticou a deliberação, em nota distribuída à imprensa e à sociedade. Para a entidade, a decisão desconsidera a qualidade da formação dos novos profissionais e expõe a população a uma situação de risco.

Segundo o CFM, sucessivos estudos do Ministério da Educação comprovam a baixa qualidade e capacidade das escolas existentes para a formação dos médicos brasileiros. Além disso, o Conselho  afirma também que essa medida não ataca um dos focos do problema, que é a fixação dos médicos em áreas do interior e das periferias.

Na mensagem, a entidade diz que não há dúvida que o número de escolas médicas em atividade e sem condições de funcionamento é grande e que a abertura de novos centros acadêmicos ou o aumento no número de vagas existentes é uma atitude sem sentido. Ainda segundo o Conselho, o Brasil precisa de políticas públicas que estimulem uma melhor distribuição de profissionais pelo território nacional, além de mais rigor e seriedade na formação dos médicos brasileiros.

Ainda de acordo com o CFM , o Governo deveria estar atento a esta realidade e apresentar propostas que contribuam para a melhora da saúde no país, como o aumento dos investimentos no setor e a definição de políticas de valorização do trabalho médico. Confira abaixo a íntegra do documento divulgado.

Nota do CFM sobre Abertura de Novas Vagas em Cursos de Medicina

Preocupado com a qualidade da formação dos médicos no país e com a adequada assistência oferecida à população, o Conselho Federal de Medicina (CFM) manifesta sua posição contrária à decisão do Governo de abrir 2415 novas vagas em escolas médicas no Brasil até o ano de 2014.

Tal anúncio, que usa como justificativa a necessidade de aumentar o número de profissionais no país para cobrir vazios assistenciais, passa ao largo de medidas com efeito real para equacionar o problema do acesso à saúde e ignora aspectos ligados ao preparo dos futuros médicos.

Levantamento realizado ao longo de dois anos, no âmbito da Secretária de Ensino Superior do próprio Ministério da Educação (sob a supervisão do ex-ministro Adib Jatene), já demonstrou que parte significativa das escolas de medicina existentes não possui condições de oferecer a capacitação necessária aos seus alunos.

O Conceito Preliminar de Cursos (CPC), divulgado também pelo Ministério da Educação, confirmou ser preocupante o número de escolas médicas que alcançaram notas ruins, entre 1 e 2 (de 141 instituições avaliadas, um total de 23). Também é lamentável que nenhuma delas tenha obtido nota suficiente para ser classificada na faixa máxima (nota 5).

Ambos os casos são resultados que decorrem da abertura indiscriminada de novas vagas e novos cursos de Medicina em território nacional, práticas há tempos denunciadas pelo CFM. De 2000 a 2012, praticamente dobrou o total de escolas médicas no Brasil (de 100 para 185 estabelecimentos do tipo).

No entanto, essa multiplicação não tem solucionado a povoação de médicos nos locais desassistidos e sequer melhorou a qualidade dos médicos ali formados. Não há dúvida que número importante escolas médicas em atividade está sem condições de funcionamento. Assim, a abertura de novas escolas ou o aumento no número de vagas nas existentes  é uma atitude desprovida de conteúdo prático e de bom senso.

Outro ponto a ser levado em consideração diz respeito ao total de médicos no país. Atualmente, o país tem 371 mil médicos, com uma razão de 1,95 médicos por mil habitantes, que é superior à média mundial (1,4 por mil habitantes), conforme relatou a OMS em seu último relatório.

Infelizmente, os médicos brasileiros estão concentrados nos estados do Sul e Sudeste, nas capitais e na faixa litorânea. Estados como Distrito Federal (4,02 médicos por 1.000 habitantes), Rio de Janeiro (3,57), São Paulo (2,58) e Rio Grande do Sul (2,31) possuem indicadores próximos de países europeus. Por outro lado, no Norte e no Nordeste, esse número se assemelha a de nações subdesenvolvidas.