Andrógenos e a Barreira Hemo-liquorica

Eventos Médicos

Andrógenos e a Barreira Hemo-liquorica

por site em 15 de abril de 2021


M. E. Carruthers Inglaterra

A influência de esteróides sexuais no cérebro é freqüentemente difícil de interpretar, tanto pela incerteza de qual cruza a barreira hemo liquorica, quais são produzidos localmente em diferentes partes do cérebro e a interação e conversão entre eles e outras variáveis endócrinas modificando comportamento.

O fato é que há uma alta concentração de aromatase em várias regiões do cérebro e a T é o esteróide sexual mais abundante em homens e mulheres durante toda a vida, especialmente após os 50 anos, o que sugere que muitas ações potencialmente benéficas dos estrógenos podem ser extrapolada para a T.

Como esteróides se dissociam lentamente de suas proteínas ligadoras específicas, e como o tempo de trânsito para o cérebro é rápido, com a exceção da T livre virtualmente nenhuma fração ligada a albumina contribui significativamente para níveis cerebrais exógenos de T.

Na prática a concentração de esteroides sexuais no liquor é principalmente limitada aos níveis de 2% de T livre no plasma, como a única fração que pode cruzar a barreira hemoliquorica.

O autor fez cálculos que mostram a quantidade de T livre e estrógeno livre disponível no cérebro tanto de homens como de mulheres com valores variáveis de SHBG e como isto poderia ser modificado beneficamente pelo danazol que reduz a síntese do SHBG.