Ações Contra a Obesidade

relogio 31/08/2010 - 15:19
Ações políticas para a prevenção da obesidade, como a regulamentação do marketing de alimentos, restrições na alimentação escolar e monitoramento das tendências de obesidade, entre outras, levaram a International Obesity Taskforce (IOTF) a enviar uma carta de congratulação ao governo brasileiro. De acordo com a entidade, o Brasil, juntamente com a Inglaterra, lidera a lista de países que mais lutam contra a obesidade.
 
De acordo com o texto, “se outros países seguirem a direção tomada pelo Brasil, teremos muitas outras boas notícias para apresentar nas próximas conferências sobre prevenção da obesidade”. A carta ainda agradece o país por fazer “a diferença para a população brasileira, especialmente para as crianças e adolescentes, para os quais a sociedade tem especial responsabilidade” e se coloca à disposição para auxiliar na prevenção da doença crônica.
 
Para o Dr. Walmir Coutinho, futuro presidente da International Obesity Federation (IOF), a carta é motivo de orgulho para o país, especialmente para as sociedades de Endocrinologia. “As entidades têm trabalhando bastante nos últimos anos no combate a obesidade, dando o suporte necessário para que essas ações fossem realizadas”, afirma.
 
Ações Políticas
 
De acordo com a carta, diversas ações chamaram a atenção da sociedade internacional. São elas:
  • Implantação da Resolução 24/2010, da ANVISA, que restringe as propagandas de produtos alimentícios com excesso de sal, açúcar, gordura saturada ou gordura trans. Nesse ponto, a IOTF afirma que, embora essa Resolução possa sofrer forte ataque da indústria de alimentos e da mídia comercial, “as medidas aprovadas são parte essencial das ações para diminuição do aumento da carga de doença associada a dietas não saudáveis”;
  • Lei Federal aprovada pelo Congresso e assinada pelo Presidente da República, que determina que pelo menos 30% do orçamento do Programa Nacional de Alimentação Escolar devem ser usados para a compra de alimentos frescos cultivados pela agricultura familiar local. Segundo a Sociedade, o programa “é um excelente exemplo para os outros países que têm programas similares”;
  • Monitoramento das tendências de obesidade através de inquéritos nacionais domiciliares periódicos. Segundo a carta, esse “é mais um exemplo que muitos países ricos gostariam de ter”;
  • A incorporação de ações com o objetivo de prevenção e controle da obesidade e outras doenças crônicas no Programa Saúde da Família;
  • O Programa Nacional de Aleitamento Materno que, segundo a carta, levou ao aumento da média de duração do aleitamento materno total de 3 meses nos anos 70 para 12 meses em 2008. Para a Sociedade, a inclusão de um código rigoroso que regula o marketing de fórmulas infantis é uma estratégia essencial para a proteção das mães em relação às práticas antiéticas de mercado de fórmulas infantis realizadas por algumas empresas.
 
Obesidade Ainda em Alta
 
O Instituto Nacional de Geografia e Estatística divulgou, no dia 27 de agosto, os resultados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF 2008-2009). De acordo com o estudo, o excesso de peso entre os homens acima dos 20 anos ultrapassa metade da população em três regiões do país: Sul (56%) e o Sudeste (52,4%) e o Centro Oeste (51%). Enquanto o excesso de peso entre as mulheres ultrapassa a metade da população apenas na região Sul (51,6%).
 
Segundo os dados, a tendência é a mesma também entre os adolescentes, apesar do ritmo de crescimento ser menor que entre os adultos. Entre o sexo masculino, a taxa de excesso de peso era de 16,7% na POF de 2003 e passou para 21,7% na pesquisa atual. Entre o sexo feminino, esse número passou de 15,1% para 19,4%.
 
De acordo com o Dr. Walmir Coutinho, embora os dados ainda não sejam os esperados, eles apenas comprovam a necessidade de ações de combate à obesidade. “Ainda não tivemos tempo suficiente para medir o resultados dessas medidas de prevenção, já que elas são novas”, completa. A pesquisa analisou dados de 188 mil pessoas.