cbem2014
Carregando

Título de Especialista

Prova do TEEM

Membros da Comissão do Título de Especialista em Endocrinologia e Metabologia e da Diretoria da SBEM se reuniram, no dia 6 de março, no Hotel Windsor Flórida, no Rio de Janeiro, para participarem do minicurso “Fundamentos Essenciais para Elaboração Didática de Provas”. As aulas foram coordenadas e ministradas por Tânia Zagury, mestre em Educação, filósofa, pesquisadora e escritora.

De acordo com o Dr. Eduardo Pimentel Dias, segundo secretário da SBEM Nacional, o objetivo da entidade é uniformizar a maneira de avaliar os candidatos a titulo de especialista. “É necessário padronizar a formulação da prova para torná-la mais hábil na verificação das habilidades dos candidatos”, afirma.

Nas palestras, foram apresentadas orientações de como se preparar uma prova da maneira adequada. “Esse curso dá a base essencial para a elaboração de provas e trata de tópicos importantes como formulação de questões, níveis de dificuldade e tempo de realização. Queremos que o candidato não seja distanciado de seu foco por dificuldades na comunicação ou por uma questão mal formulada”, afirma a educadora. “Para o aluno em si, o mais prejudicial é o cansaço, e a avaliação da própria questão”, completa.

O Curso

Durante toda a tarde, Tânia Zagury deu sugestões sobre como a prova do TEEM poderia ser formatada, para que o conhecimento do candidato pudesse ser avaliado da melhor maneira possível. Segundo a especialista, antes da elaboração, o ideal é que seja feito um planejamento, observando, entre outras coisas, quais são os objetivos do teste, o tempo de realização, tipo e número de questões, além das áreas de atuação do endocrinologista, para saber se a prova é ou não viável.  “É necessário avaliar se o candidato fará a prova correndo ou tenha tempo demais”, afirma.

Tania Zagury dá instruções de como a prova do TEEM deve ser planejada


Para Tânia, ainda no planejamento, deve ser pensado que tipo de conteúdo deverá ser mais exigido. “Deve-se levar em conta quais os itens que o especialista em endocrinologia precisa saber, divididos de acordo com a prioridade”. É necessário considerar, também, que uma prova não deve ser formada apenas de questões fáceis ou difíceis. “É preciso um equilíbrio”, afirma. Após o planejamento, a educadora recomenda que seja feito um esboço da prova, para depois serem formuladas as questões.

A educadora apresentou, também, uma técnica chamada de “Taxionomia de Bloom”, uma estrutura de organização hierárquica de objetivos educacionais. A taxionomia é dividida em níveis de aprendizado: conhecimento, compreensão, aplicação, análise e síntese e avaliação, onde cada nível é mais complexo e mais específico que o anterior. “No caso de provas de especialização, é interessante serem usadas questões relacionadas à avaliação, que utiliza a organização dos conhecimentos adquiridos, porém, essas são mais difíceis de serem elaboradas em provas de múltipla escolha. Elas acabam sendo mais usadas em provas discursivas, o que não é o caso do TEEM”, afirma. “Os níveis podem ser alternados nas questões da prova, de acordo com o nível de dificuldade que se deseja obter”, completa.

Diretoria da SBEM e memobra da Comissão do TEEM analisam provas
 
De acordo com o minicurso, uma boa formatação da prova contribui para uma melhor avaliação. “O texto justificado e as questões com espaçamento maior facilitam a leitura do candidato”, afirma a educadora. “Uma boa introdução também contribui para que o aluno faça a prova de maneira mais tranquila”, salienta.
 
A alternância das respostas certas deve ser mantida. “O número de respostas b corretas deve ser igual ao número de respostas a, c, d e e, com suas ordens ao acaso”, completa. “Dessa forma, medimos o conhecimento do candidato e não apenas se ele tem um bom chute”, completa.

Ao final do dia, o minicurso proporcionou aos participantes a possibilidade de aplicarem, na prática, as dicas da especialista. Eles avaliaram algumas questões do TEEM, referentes aos anos de 2007 e 2008, e analisaram as provas levando em consideração a formatação, conteúdo e nível de dificuldade.

Para o Dr. Ricardo Meirelles, presidente da SBEM, o minicurso contribuiu, e muito, para uma futura padronização. “Queremos aprimorar, cada vez mais, a prova para Título de Especialista, tornando-a mais adequada, justa e clara, para que possamos avaliar, da melhor maneira, qual o candidato está apto a exercer a Endocrinologia”, afirma.

Leia Mais

 

comments powered by Disqus

Saiba Mais